Mensagens ao vento

13.9.15 Anahy Britto 0 Comments

Mensagens que a brisa leva: vozes, sussurros, orações, canções... essa foi a ideia central dessa ilustração.
Claro que eu esperava que ficasse de outra forma, mas o 'deixar acontecer' faz parte do exercício. E ter complacência com os nossos limites do momento, aceitar e agradecer o que conseguiu fazer e, acima de tudo, adoçar a voz do nosso gênio crítico é o caminho para que possamos levar a nossa mensagem essencial. No final eu sempre acabo gostando... a minha avó materna dizia: "Quem ama o feio, é porque bonito lhe parece". Pois é, que mãe não acha o filho lindo?? É o poder do amor de embelezar as coisas...
Eu gosto de fazer desenhos suaves, coloridos, com jeitinho de que foi feito para criança...mas foi! Pra a criança interior que habita cada um de nós, aonde está a sinceridade, a pureza e fantasia, a capacidade de resiliência, a amizade e solidariedade, a essência do que é bom, do que é genuíno. Depois de adultos somos obrigados a escondê-la, reprimi-la para não parecermos ridículos, veja só que ridículo!!! lol... Enfim, meus desenhos são feitos para passarem calma, serenidade, alegria, fantasia, amor...para que as pessoas resgatem a bondade essencial e percam o medo de serem felizes e se você chegou até aqui, é porque no mínimo se identifica com a minha maneira de passar amor e certamente libera a sua criança interior para pescar o bom da vida. E vamos fazer arte!!
Os materiais que eu usei são os mesmos de ultimamente: papel vergê creme (enruga um pouco porque não é próprio para aquarela), aquarelas em pastilha, lápis de cor (sépia e turquesa) e nanquim preto com bico de pena.

Um abraço suave como a brisa,
Anahy


Essa foto do porta-retratos é do meu filho, meu amigo, meu amorzinho. Hoje ele já tem 17 anos e estuda arquitetura.

0 comentários: