Mudança e mudanças...

20.5.16 Anahy Britto 0 Comments

Há mais de mês que estou ausente do blog e quase ausente de todas as outras redes sociais das quais participo. Algumas alterações na rotina, por vezes provocadas por exames médicos periódicos, ajustes do meu tempo com o tempo dos meus filhos e, por fim, mudança de casa... Está última é a questão mais demorada: limpa, embala, transporta, limpa de novo, separa, guarda... acho que vou levar mais uns 30 dias até colocar a maior parte das coisas em ordem! Enfim, essas questões me fizeram deixar as postagens do blogue por um razoável tempo, mas agora encontrei disposição para atualizá-lo em relação ao meu trabalho.
Bem, depois das cabrochas, desenhei uma série de crioulas. Mulheres mestiças e fortes, herdeiras da força do hibridismo racial, cultural e místico de nossas antepassadas mães negras nagôs, congo, angola, minas... tais herdeiras sou eu, é você, é a mulher brasileira em sua paradoxal genuinidade mista. Não negando a mistura com as outras etnias, mas colocando o foco no hibridismo mais proeminente dos vindos da África com os da Europa, onde a fusão de culturas foi um misto de prisão e liberdade.
Não posso falar da nossa riqueza, da nossa herança física, cultural e imaterial sem ser paradoxal. E, falando disso com o perfume barroco e rococó que cultivo como releitura em minha arte, tenho tentado mostrar esse "antagonismo harmônico" através do resgate da simbologia das jóias crioulas, do cotidiano cultural afrodescendente, dos sítios da cidade mais impregnados de religiosidade e fé, do bem-viver (viver duro, mas com crença) na cidade de São Salvador, do mar que a beija juntamente com todos os santos e ritos...
Um abraço de reencontro,
Anahy
Alguns dos desenhos da Série Crioula, em preto e branco (nanquim com pena e caneta nanquim):

Ilustração Quando ela pode tocar atabaque.



Ilustração Mira Mar.



Ilustração Filha de Yemanjá.

0 comentários: